O que é o Prêmio Earthshot do Príncipe William?

O que é o Prêmio Earthshot do Príncipe William?

William e Catherine, príncipe e princesa de Gales, chegaram a Boston na quarta-feira para sua primeira visita aos Estados Unidos em oito anos. No centro de sua jornada está o Prêmio Earthshot, que William fundou em 2020 para apoiar empreendedores no desenvolvimento de soluções climáticas inovadoras.

O nome do prêmio é uma homenagem ao discurso “Shots of the Moon” do presidente John F. Kennedy em 1962, que conquistou apoio público para o esforço de pousar astronautas americanos na lua em uma década.

O termo persistiu como uma metáfora para metas tão ambiciosas que exigem grandes compromissos de força mental e dinheiro. Nos últimos anos, a urgência de desafiar o clima levou alguns a se perguntarem se a mudança climática pode ser o que é necessário para evitar uma catástrofe futura.

O Prêmio Earthshot responde a essa pergunta com um enfático sim e arrecada quase US$ 60 milhões até o final da década.

O Prêmio Earthshot, uma instituição de caridade independente recentemente desmembrada da Royal William and Catherine Foundation, está concedendo £ 1 milhão, ou cerca de US$ 1,2 milhão, a cada um de seus cinco laureados, um em cada uma das categorias de prêmios: Conservação e Proteção da Natureza, Ar Qualidade, Revitalização dos Oceanos, vida livre de resíduos e ação climática.

Este ano, houve mais de 1.000 indicados de 80 países. As candidaturas foram analisadas por um painel de especialistas de cientistas, formuladores de políticas e acadêmicos, de acordo com o site da organização.

Um painel de juízes de alto nível, liderado por William, seleciona os vencedores de um grupo de três finalistas em cada categoria. O painel inclui o naturalista David Attenborough, a atriz Cate Blanchett, a cantora Shakira, a rainha Rania da Jordânia e o empresário Jack Ma.

A cerimônia de premiação, que acontece na sexta-feira em Boston no MGM Music Hall em Fenway, contará com apresentações de Annie Lennox, Billie Eilish, Ellie Goulding e a dupla de R&B Chloe x Haley.

Os 15 finalistas para 2022 vêm de mais de dez países, incluindo Estados Unidos, Grã-Bretanha, Holanda, China e Quênia.

Existem alguns grupos de base que se concentram no conhecimento local e na educação. Nas florestas de várzea de Kinabatangan, no Bornéu da Malásia, um grupo de pesquisa da vida selvagem está trabalhando com a comunidade indígena Orang Sangay para monitorar a biodiversidade. Em Queensland, na Austrália, outro grupo está treinando mulheres aborígenes para se tornarem guardas florestais.

Outros finalistas desenvolveram tecnologias sustentáveis, incluindo um sistema de bateria totalmente elétrico projetado para substituir geradores a diesel em canteiros de obras, um kit “estufa em uma caixa” para pequenos agricultores na Índia e fogões de baixa poluição já em uso por 200.000 pessoas no Quênia .

Dois dos finalistas usam algas marinhas: um faz recipientes sustentáveis ​​para substituir o plástico descartável e o outro trabalha para semear ecossistemas subaquáticos.

O conceito de economia circular, que visa projetar produtos pensando na reutilização, foi um tema de destaque este ano. Por exemplo, uma startup na Índia, a Phool, reaproveita flores de templos que são despejadas no rio Ganges em incensos e substitutos de couro. Os inseticidas que cobrem as flores continuariam a poluir o rio, um dos mais poluídos do mundo.

No ano passado, a Costa Rica venceu na categoria Proteção e Restauração da Natureza por um sistema nacional que reverteu o desmatamento pagando aos cidadãos para cuidar das florestas. A categoria como um todo destaca os esforços para limitar o colapso global da biodiversidade.

Na categoria de qualidade do ar, a empresa de biomassa com sede na Índia, Takachar, recebeu as principais honras por seus esforços no combate à poluição do ar causada por queimadas agrícolas. Desenvolveu uma tecnologia portátil que se conecta a tratores e transforma os resíduos da colheita em combustível e fertilizante.

Para reviver o oceano, a Coral Vita, uma empresa que trabalha para restaurar os recifes de coral danificados e moribundos do mundo, cultivou corais resistentes em fazendas e os transplantou para ecossistemas de recifes de corais ameaçados nas Bahamas. Esta categoria aborda o aumento da temperatura dos oceanos, poluição e práticas de pesca nocivas.

A cidade de Milão venceu na categoria Zero Waste Living para Food Waste Hubs, que recuperam alimentos não vendidos de supermercados e empresas e os redistribuem por meio de instituições de caridade e bancos de alimentos. Em todo o mundo, o desperdício de alimentos é responsável por 8 a 10 por cento das emissões de gases de efeito estufa.

No Na categoria Clima, que destaca os esforços para reduzir as emissões, a Enapter, empresa alemã de tecnologia energética, ganhou o prêmio por um eletrolisador compacto, hoje vendido em 50 países, que produz hidrogênio como combustível a partir da água.

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *