Energia renovável na China limita geração de carvão

Energia renovável na China limita geração de carvão

A implantação maciça de geradores renováveis ​​na China está começando a reduzir sua forte dependência de usinas movidas a carvão, garantindo que o governo continue no caminho certo para atingir sua meta de atingir o pico total de emissões antes de 2030.

A geração total de eletricidade aumentou 240 bilhões de quilowatts-hora, ou 3,6%, entre janeiro e outubro em comparação com o mesmo período de 2021, de acordo com o National Bureau of Statistics (NBS).

Refletindo o impacto de bloqueios repetidos, o crescimento tem sido mais lento desde a pandemia em 2020 e antes da ampla desaceleração econômica em 2015 (“Energy product output”, National Bureau of Statistics, 15 de novembro).

Mas as fontes de emissão zero representaram quase 74% do aumento total da geração, com os geradores de calor, predominantemente a carvão, contribuindo com apenas 26%.

A geração de parques eólicos aumentou em 100 bilhões de kWh (22%) em relação ao ano anterior, enquanto a produção de energia solar aumentou em 45 bilhões de kWh (30%).

Houve contribuições relativas menores para o crescimento de geradores de calor (63 bilhões de kWh, apenas 1%), unidades hidrelétricas (28 bilhões de kWh, 3%) e nucleares (4 bilhões de kWh, 1%).

O aumento exponencial da geração de energia eólica e solar é resultado da expansão maciça da capacidade instalada nos últimos dois anos.

A capacidade do parque eólico aumentou 17%, enquanto a capacidade solar aumentou 29% nos primeiros nove meses de 2022, em comparação com o mesmo período de 2021.

A energia eólica já aumentou 33%, enquanto a energia solar aumentou 25% nos primeiros nove meses de 2021, em comparação com 2020.

Como resultado, a capacidade eólica atingiu 348 GW em setembro de 2022, acima dos 223 milhões de GW em setembro de 2020, de acordo com a Administração Nacional de Energia (NEA).

A capacidade solar também aumentou para 359 GW em setembro de 2022, de 223 milhões de GW em setembro de 2020 (“National Energy Industry Statistics”, NEA, 21 de outubro).

Em 2021, a China foi responsável por 35% do total da geração eólica mundial, quase tanto quanto os Estados Unidos (21%) e a União Europeia (21%) juntos (“Statistical Review of World Energy”, BP, 2022).

A China é mais dominante na geração de energia solar (32% do total global) do que os Estados Unidos (16%) e a União Europeia (16%).

Deslocamento de carvão

O carvão continua sendo a fonte dominante de geração, com usinas termelétricas predominantemente a carvão respondendo por 69% de todos os quilowatts-hora gerados em 2021, em comparação com apenas 22% nos EUA e 15% na União Europeia.

Mas o investimento maciço do país em renováveis ​​está prestes a começar a substituir a geração de energia a carvão e iniciar o longo processo de convertê-la em um papel de backup.

Se e quando o país finalmente sair da política de zero desligamentos recorrentes, o consumo de eletricidade voltará a crescer mais rapidamente, o que aumentará a demanda por geradores a carvão e renováveis. Os geradores trabalham mais horas a cada ano e com melhor integração à rede, significa que provavelmente aumentarão sua participação em detrimento do carvão.

A estratégia do governo de reduzir a intensidade energética do PIB e substituir geradores a carvão mais antigos, menores e menos eficientes por unidades maiores e mais eficientes deve reduzir o consumo de carvão.

A geração nuclear também está definida para uma grande expansão que aumentará ainda mais a geração de emissões zero e fornecerá mais energia desbloqueável.

Nos próximos anos, mais geradores a carvão deixarão de funcionar ininterruptamente como carga primária para deslocamento duplo, ou servirão como reservas para apoiar a produção intermitente de energia eólica e solar.

Em números absolutos, a geração a carvão ainda está em ascensão, mas a taxa de crescimento caiu pela metade na última década, e a geração a carvão tem crescido mais lentamente do que a geração como um todo.

Como resultado, os geradores de calor viram sua participação na produção total de eletricidade encolher para 69% este ano, de 76% nos primeiros 10 meses de 2014.

Com as tendências atuais, a geração de energia a carvão provavelmente atingirá o pico em termos absolutos nos próximos cinco anos, contribuindo para a meta declarada do governo de atingir o pico de emissões de todas as fontes antes de 2030. – Reuters

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *